sábado, 24 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL A TODOS!!!


O verdadeiro Natal não é esse do dia vinte e cinco de dezembro. O verdadeiro Natal é aquele dia em que Cristo – como Espírito, como mensagem e estilo de Vida – nasceu em nosso coração. Assim, meu Natal é num dia, o seu é em outro... Não importa! O importante mesmo é que lembremos de que Ele vive em nossos corações! Esse é o motivo do nosso Amor, da nossa Alegria, da nossa Paz, de tudo o que é Maravilhoso. Se essas coisas ainda não aconteceram a alguém, então esse alguém não pode comemorar o NATAL.


Feliz lembrança do nascimento de Cristo em seu coração.


   

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O MECANISMO DO 13º SALÁRIO


Se você tem um salário de R$ 2.000,00, então seu 13º salário é R$ 2.000,00. Agora veja na matemática simples, porque o 13º é pago:

SALÁRIO: R$ 2.000,00
MÊSES NO ANO: 12
SOMA DOS MÊSES (A): R$ 24.000,00
13º SALÁRIO (B): R$ 2.000,00
SOMA (A) + (B): R$ 26.000,00


Observação: um ano tem 52 semanas. Se você ganha R$ 2.000,00 por mês,
então você ganha R$ 500,00 por semana. Agora multiplique R$ 500,00 X 52 semanas e você terá a quantia de R$ 26.000,00. Veja que durante o ano você é quem paga seu 13º Salário. Se o 13º salário não fosse pago, então cada empregador ficaria devendo a cada empregado um salário por ano.

sábado, 26 de novembro de 2011

O MECANISMO DA VIOLÊNCIA


O corpo físico manifesta a raiva, o ódio, a vingança, mas ele não é nem a raiva, nem o ódio, nem a vingança. O corpo físico está no nível da explosão, ele se torna a própria explosão, mas ele não é o responsável pela explosão. Aqui estou tomando a palavra explosão por palavrões e outras tantas formas de violência – esse fenômeno tão presente e freqüente nos relacionamentos humanos.

Observe nossa sociedade: ela ataca o corpo físico, combate o corpo físico, pune o corpo físico, como se ele fosse o responsável pela violência. Mas com isso, a única coisa que a sociedade produz, é a dor, o sofrimento e perdas – muitas vezes irreparáveis.

Quem é o responsável por essa explosão, a qual conhecemos com o nome de violência? Se perguntarmos isso a um religioso, provavelmente ele dirá que a culpa é do diabo! Se perguntarmos isso as pessoas na rua, provavelmente elas dirão em maioria que a culpa é dos ladrões, dos assaltantes ou do trafego. Outro dia fiz essa pergunta a um intelectual, e ele disse-me que o problema da violência é decorrente da falta de educação. Então eu pergunto: os educados da nossa sociedade não violentam ninguém? Eles não arremessam palavrões contra as pessoas? Não brigam com tapar e pontapés? Será que eles não se vingam dos seus ofensores? Eles não mandam matar...?

Quem é o verdadeiro responsável pela violência? Vamos investigar! Observe: temos o corpo físico, mas por trás dele ainda existem outros corpos – aqui não falarei de todos, mas colado com o corpo físico temos o corpo dos sentimentos (Ex.: raiva) e depois o corpo dos pensamentos (Ex.: crença). Então, vem alguém e diz algo contra aquilo que pensamos/cremos e aí surge a raiva.

Raiva é o sopro do terceiro corpo (pensamento) no segundo corpo (sentimento) explodindo no primeiro corpo (matéria). Vou dar um exemplo para ficar mais simples: O que acontece quando injetamos ar dentro d’água? Surge uma bolha, que sobe inteira até a superfície da água onde explode – não é mesmo? O ar representa o pensamento, a água o sentimento, e a explosão a violência verbal/física. Uma vez que a bolha é criada, mais cedo ou mais tarde ela vai explodir! Então para que não haja explosão, algo tem de ser feito no campo do pensamento.

O Apostolo São Paulo disse que é preciso ter a Mente de Cristo: uma mente de mansidão e humildade. Se nossos pensamentos são compostos de mansidão e humildade, então será impossível que bolhas de raiva surjam em nosso campo emocional – o que também impossibilita o nascimento da violência.





Espero ter me feito entender.





   

sábado, 19 de novembro de 2011

UMA EXPLICAÇÃO SOBRE MEDITAÇÃO




Meditar é separar-se dos objetos e dos seus significados. Quando você está diante de um objeto – seja ele uma palavra ou uma imagem –, imediatamente surge um significado. O que é o significado? O significado é o resultado da sua cultura, do seu aprendizado, da sua educação, do seu treinamento, do seu condicionamento... Se um objeto que você nunca viu é colocado diante de você, obviamente ele não terá nenhum significado – é daí que surgem as perguntas: “o que é isso? Para que serve isso?” Se algo conhecido é colocado diante de você, e recebeu um significado bom, você sente-se bem. Se for algo que tem um significado ruim, então você se sente mal. Esse processo é altamente manipulador! Meditação é observar esse processo!

Mas para que serve a meditação? Qual o benefício de observar esse processo? Em primeira análise é para percebermos que não somos esse processo. Se não somos os processos, então estamos livres deles.

Que processos são esses que estou me referindo? Tomemos um exemplo para nos basearmos:

Imagine uma brasileira jantando em um restaurante em Portugal, quando de repente, na mesa do lado, um português olha para ela e diz: “você é uma bela rapariga!” Nessa situação a palavra RAPARIGA é o objeto sonoro, e o significado dessa palavra para a brasileira equivale à prostituta – embora não seja isso para o português. Então ao ouvir essa palavra, a brasileira se ofende porque ela se coloca como o significado, e não como a observadora. Essa é a dificuldade e também a raiz do problema humano: pensar que é o significado e esquecer que é o observador.

Assim, meditação é o meio para fazer com que o objeto e o significado percam a influencia, o poder sobre você. É o meio de libertá-lo da manipulação...





   

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

UM CONVITE A ESCOLA DE SIGNIFICADOS

Na Escola de Significados, começo a transmissão com a linguagem do conhecimento. Aos poucos os discípulos vão aprendendo a linguagem da sabedoria. A meta da Escola de Significados é fazer de você um bilíngüe, porque há duas linguagens: a linguagem de quem obteve conhecimento (informação), e a linguagem de quem experimentou (sabedoria).

Não seja apenas alguém informado, você pode ser um sábio!!!

Venha, faça parte!




Fale com o Coordenador Gleilson Alves: gleilsonalves1703@gmail.com

sábado, 15 de outubro de 2011

O MECANISMO DA UNIDADE


Do lado de fora estamos distantes uns dos outros. É essa distancia quem determina nossa separação. Mas quando nos movemos para dentro, toda distancia vai diminuindo. Diminuindo, diminuindo, diminuindo, até nos encontrarmos em um mesmo ponto. Esse ponto é o sopro Divino – aquilo que somos em verdade.

Na periferia somos diferentes, separados... Mas do lado de dentro, para além da mente e do sentimento, somos essa consciência injetada por Deus!

Não somos esses nomes, essas cores, essas culturas, essas alturas, esses corpos que nos diferencia um do outro. Somos uma única consciência onde se manifesta tudo isso.

Viver com base no exterior é viver como um ego. Viver com base no interior, é Ser, é encontrar a unidade. Na unidade não há desigualdade, nem guerras, nem roubos, nem injustiças... Na unidade o próximo somos nós. O amor ao próximo é o amor a nós mesmos. Não há dois, porque todos são um.

sábado, 10 de setembro de 2011

PERÍODOS DA VIDA HUMANA




Escola de Significados – Módulo: Períodos da Vida Humana – Aula 01

Olhando para os fenômenos da natureza, podemos perceber que eles acontecem em períodos e ciclos. No caso das árvores, elas dão os seus frutos em ciclos, porem existe a estação apropriada. Outro exemplo é o dia e a noite. Se estivermos na abóbada superior da terra, então o dia é o período onde o sol está sobre ela, e a noite o período onde ele está sob. Como você pode ver, os períodos e os ciclos podem ser percebidos facilmente nesses exemplos.

Obedecendo a mesma ordem da natureza, a vida humana desenrola-se numa sucessão de períodos, cada um de duração aproximada de sete anos.

PERÍODO - IDADE - CARACTERÍSTICA:
PRIMEIRO - 0 a 7 anos - Infantilidade
SEGUNDO - 7 a 14 anos - Desenvolvimento Físico
TERCEIRO - 14 a 21 anos - Desenvolvimento Mental
QUARTO - 21 a 28 anos - Desenvolvimento Emocional
QUINTO - 28 a 35 anos - Desenvolvimento da Criatividade
SEXTO - 35 a 42 anos - Desenvolvimento da Consciência
SÉTIMO - 42 a 49 anos - Desenvolvimento da Religiosidade
OITAVO - 49 a 56 anos - Desenvolvimento da Espiritualidade
NONO - 56 a 63 anos - Desenvolvimento da Maturidade
DÉCIMO - 63 a 70 anos - Desenvolvimento do Envelhecimento

Existem também as Classificações Sociais:

FASES:
Infância
Adolescência
Juventude
Maturidade
Velhice

Todos esses períodos desenrolam-se dentro de um tempo cronológico, porém há variações, porque existem dois tipos de idade:

IDADE - CARACTERÍSTICA:
Biológica - Avanço do corpo físico
Psicológica - Avanço do corpo Mental

Observação: Uma pessoa pode ter uma alta idade biológica, com uma baixa idade psicológica. O contrario também é possível: uma pessoa pode ter uma alta idade psicológica, com uma baixa idade biológica.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

TAREFA


Exponha em 15 linhas o que você entendia por livre arbítrio, e o que entende agora.

domingo, 21 de agosto de 2011

LIVRE ARBÍTRIO


Escola de Significados – Módulo: Livre Arbítrio – Aula 01

Significado do Dicionário:

Livre parecer, livre juízo, livre opinião, livre vontade, livre determinação (que não dependem de regra, praxe ou lei, mas da prudência ou retidão da pessoa).

Conceito:

Liberdade que o homem recebeu de Deus para fazer escolhas.

Introdução:

Livre-arbítrio também conhecido como livre-alvedrio, é a crença ou doutrina filosófica de que a pessoa tem o poder de decidir seus atos.

A decisão dos atos tanto pode ser para atender expectativas objetivistas como subjetivistas.

O livre-arbítrio é um dos temas central da história da humanidade, com considerações religiosas, morais, psicológicas e científicas. Por exemplo, no domínio religioso o livre-arbítrio pode implicar que uma divindade onipotente não imponha seu poder sobre a vontade e as escolhas individuais. Em ética, o livre-arbítrio pode implicar que os indivíduos possam ser considerados moralmente responsáveis pelas suas ações. Em psicologia, ele implica que a mente controla certas ações do corpo.

Você tem o livre arbítrio?


Você escolhe as conseqüências do que escolhe?


Quando você escolhe a felicidade, de fato você é feliz?


Como pode haver livre arbítrio se sua escolha não é exercida?


Se a escolha é de felicidade e não está havendo felicidade, quem está escolhendo?

O EGO e o DNA estão escolhendo!

O EGO sempre escolhe manipulado por um condicionamento imposto pelo meio (social, religioso, filosófico, cientifico...), e o DNA em si é também uma programação.

Assim, o livre arbítrio como conhecemos, é algo fundamentado em algo que não escolhemos. Portanto não é livre arbítrio!

Se o homem não é capaz de fazer o que ele deseja, então é tolice ele querer ou não querer; é tolice pedir para que ele faça ou não faça.

Você pode levantar uma perna sem cair, mas será que pode levantar duas?

O homem pode escolher fazer determinadas coisas sem provocar acidentes, mas não pode fazer tudo sem que o acidente aconteça.

O essencial não pode ser decidido pelo homem, esse é o limite.

Então o que é o livre arbítrio?

Livre arbítrio é o poder de se libertar do EGO, e até mesmo da manipulação do DNA... É poder estar livre dos apegos, porque se você está livre dos apegos, dos condicionamentos, então você tem o livre arbítrio para ser feliz.

Conclusão:

Existem três dimensões na vida: a primeira é a dimensão essencial; a segunda é a dimensão intermediaria; e a terceira é dimensão não-essencial.

Na dimensão essencial está Deus. Na dimensão intermediária o homem decide o que fazer. E na dimensão não-essencial o homem manipulado.

Se o homem está na dimensão não essencial, então ele é irreligioso, não tem contato com Deus. Se o homem está na dimensão intermediaria, então ele é religioso e pode alcançar Deus, a liberdade, a verdade, o verdadeiro livre arbítrio.

domingo, 14 de agosto de 2011

Escola de Significados - Módulo: O Observador - Aula 02



O observador, o observado e as suas qualidades.

O que é o observador?
R = É aquele que contempla tudo o que está do lado de fora.

O que está do lado de fora?
R = Sentimentos, pensamentos e "matéria".

Quando você olha para o lado de fora, qual a qualidade daquilo que você vê?
R = Limitação

Qual a qualidade daquele que vê?
R = Ilimitação

Agora, responda com sua percepção as perguntas.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

TAREFA




Em 15 linhas, diga quem é o observador?

Fale sobre a sua natureza, sua qualidade, sua atividade.

Edson Carmo

sábado, 30 de julho de 2011

O OBSERVADOR ESPIRITUAL

Escola de Significados – Módulo: O Observador – Aula: 01




Significado do Dicionário:
Que ou aquele que observa ou gosta de observar. Que faz observações científicas. Pessoa que assiste a um fenômeno. Espectador.



Conceitos:
Aquele que observa, mas não pode ser observado. Conhecedor diante do conhecido. Sujeito diante do objeto. Ultimo estagio da observação.



OBJETOS DE OBSERVAÇÃO E O OBSERVADOR



Primeiro estágio de observação:

CORPO – MATÉRIA



Segundo estágio de observação:

ATIVIDADES DA MENTE



Terceiro estágio de observação:

ATIVIDADES DO CORAÇÃO



Quarto estágio da observação:

O TODO



COMO OBSERVADOR, VOCÊ:


Na primeira instância testemunha as atividades do corpo: calor, frio, fome...

Na segunda instância testemunha as atividades da mente: pensamentos, imaginação, sonhos...

Na terceira instância testemunha as atividades do coração: sentimento, emoções...

Na quarta e última instância testemunha o todo.



O SENTIDO E O VALOR DA PROFUNDIDADE NA OBSERVAÇÃO


As pessoas que estão observando as atividades mentais, essas ajudam aquelas que estão apenas na observação das atividades corporais/materiais, porque elas já transcenderam essa fase.


As pessoas que estão na terceira fase, essas podem ajudar tanto as que estão na primeira fase, quanto as que estão na segunda fase, porque agora elas estão testemunhando algo mais profundo.


As pessoas que estão na quarta e ultima fase, essas devem ajudar as outras que estão nas três primeiras fases, porque as três primeiras fases são obstáculos, barreiras, prisões...


As pessoas que estão na quarta e ultima fase, elas passaram por todas as fases anteriores, e sabem como vencer os seus desafios. Então as pessoas da quarta fase podem dizer às pessoas que ainda não chegaram lá, coisas do tipo: "não se desesperem", "continuem, por mais que pareçam difícil, vocês vão alcançar".


As pessoas da última instancia, são as únicas pessoas que podem dizer: "já enfrentei essa situação, ela parece invencível, mas não é! Portanto não desista."




Edson Carmo

domingo, 24 de julho de 2011

Abertura para novos alunos!


A escola de significados acontece todos os domingos as 09:00h a.m, horário de Brasilia.
Seus alunos estão sujeitos a regras disciplinares, em carácter de treinamento para fortalecimento não só mental, mas existencial.

Para todos aqueles que querem ingressar como alunos na escola de significados, devem respeitar e assinar o seguinte termo:


O endereço de onde acontece a escola de significados é:
Rua Eliezer Freitas Guimarães 281 - Bairro Cais do Porto ou Rua Nova Iguaçu 281 - Bairro Castelo Encantado.

Aceitamos visitas, mas apartir de duas aulas visitadas, já deve-se decidir pelo ingressar como aluno, obetendo já sua camisa de aluno da escola de significados, dispondo da quantia de R$20,00 para a compra da mesma.

Para o ingressar de novos alunos da escola de significados, preencha a ficha de cadastro de alunos da escola e encaminhe para os seguintes e-mails: gleilsonalves1703@gmail.com (coordenador da escola); edsonantonioferreira@gmail.com (Mestre da escola); comunidadeindo@gmail.com (Comunidade INDO)

Segue link:

No primeiro dia de aula leve o termo de responsabilidades da escola assinado a punho e datado.

Qualquer dúvida estamos a disposição.

Agradece,

A coordenação

sábado, 23 de julho de 2011

O ESTADO DE PRESENÇA


Escola de Significados – Módulo: Presença. Aula – 02

Estado de presença é aceitação e não concepção

O estado de presença é o estado de aceitação daquilo que é. No estado de presença não há dualidade, porque a dualidade trás consigo a idéia de como as coisas deveriam ser. A dualidade não permite a aceitação, ela cria a rejeição e conseqüentemente a divisão.
  
Diante de uma flor, em estado de presença, não se pode dizer que ela é bela porque está no ponto Omega do seu desabrochar, nem que é feia por estar completamente murcha. Ora, o belo e o feio são conceitos sobre a flor, e não a flor.

No estado de presença, diante de uma flor, você não contempla conceitos, nem nomes. Portanto lembre-se: Nomes pertencem ao idioma, não a flor. A flor não é um nome, nem um conceito – ela é o que é e como é!

Estado de presença só existe quando você está presente

O presente, na forma do tempo, é sempre presente. Mas se você não estiver presente no momento presente, o tempo e você existirão apenas como uma história, uma memória, um passado, ou mesmo uma fantasia, quem sabe! Um sonho de futuro.

Muitas pessoas ao ouvirem isso dirão: “preciso ir para o presente”. Elas não entendem, não estão conscientes de que são o presente. Você entende que você é o eterno presente?! Ora, a Consciência é o presente! O Ser é o presente!O Observador é o presente! E quem é você de Verdade?

Veja o exemplo da tela de cinema:

Muitas histórias se desenrolam e passam por uma tela de cinema. Mas ela mesma não passa, permanece ali! E por que as pessoas dizem: “preciso voltar ao presente”? Ora, elas dizem tal absurdo, porque se envolveram com as histórias, com os acontecimentos, com as situações... E se elas acompanharam as histórias, se foram para o passado com as situações, com os acontecimentos, se estão presas a tudo isso que se tornou passado! É certo que precisam voltar para quem realmente são – o presente.
   
Para reflexão:

Treva, fraqueza, tristeza... Esses fenômenos são presenças ou ausências? Se você investigar bem direitinho, vai perceber que eles são ausências, e não, presenças. 

Eu posso dizer que treva é ausência de luz, mas não posso dizer que a luz é ausência de treva. Porque eu posso chegar com a luz e sair com a luz. Eu posso intensificar a luz e posso diminuir a luz. Eu posso acender a luz e apagá-la. Mas o que eu posso fazer com a treva? Para onde eu Posso levá-la? Eu posso trazê-la para um lugar onde eu queira afastar a luz? É certo que não!

Treva é ausência e não presença. Fraqueza é ausência e não presença. Tristeza é ausência e não presença... Por serem ausências, não existem! Mas por que as pessoas as tratam como se existissem? Ora, essas pessoas foram criadas com fantasias, cresceram acreditando em mentiras. A mentira só “existe” se alguém acreditar, mas a verdade existe mesmo sem ninguém acreditar.

Muitos crêem que o mal é uma presença, mas eu vos digo que ele é uma ausência. Ausência do bem! Ausência de Deus. Deus criou o que existe, não o que não existe. O que não existe é uma ausência e não uma presença.

Portanto o frio não foi criado, ele é apenas a ausência do calor. A trava não foi criada, ela é apenas a ausência da luz. A morte não foi criada, ela é a ausência da vida. A tristeza não foi criada, ela é a ausência da alegria. O mal não foi criado, ele é a ausência do bem... Ausências não foram craiadas, ausências são faltas. Traga o que existe a sua vida e ela estará preenchida por aquilo que foi criado por Deus, por aquilo que veio de Deus. Tudo que foi criado por Deus é bom. Tudo o que Deus não criou, não pode ser bom.

Edson Carmo

domingo, 17 de julho de 2011

TAREFA - PRESENÇA


01 - Qual a situação que mudou em sua vida a partir do conhecimento do ESTADO DE PRESENÇA?

02 - Quem é ou o que é a presença? De um exemplo de quando ela está presente.

03 – Qual o tipo de pensamento que deve ser deixado de lado e por que deve ser deixado de lado? 

sábado, 16 de julho de 2011

O ESTADO DE PRESENÇA


Escola de Significados – Módulo: Presença. Aula – 01

Significado do dicionário: Existência de uma pessoa num lugar. Lugar onde uma pessoa se acha. Permanecer em um lugar sem intervenção de outrem. Serenidade, tranqüilidade de ânimo; imperturbabilidade.

Conceito: estar no aqui/agora, em pura consciência, centrado sem a manipulação dos pensamentos.

Introdução:

O estado de presença é algo muito difícil de ser alcançado pela maioria das pessoas, pois o sistema educacional, os treinamentos e os condicionamentos – os quais são impostos a humanidade –, estão todos voltados para o passado e para o futuro.

Então criou-se um substituto, um impostor, que na maioria das pessoas vive no lugar do observador(consciência), o nome dele é pensador(pensamentos).

O pensamento(mente/ego) é o meio pelo qual o pensador distrai o observador, levando-o para os estados de passado, ou de futuro.

Exemplo 01: se eu não estivesse aqui, ainda estaria bem deitadinho, bem agasalhadinho na minha cama, tirando aquela soneca maravilhosa...

Observe: Você está aqui! Aqui não tem cama! Assim, seu pensamento é totalmente inútil e desnecessário... Para que pensar sobre isso?

Exemplo 02: poxa vida, eu deveria estar desfrutando de um delicioso lanche...! Tô com uma fome!!!

Tudo bem, você está com fome! Mas você não pode encontrar uma lanchonete aqui! Então para que pensar nisso agora?


Essas coisas fazem com que você, o observador, a observação percam o foco do aqui/agora e vão para lugares e situações distantes daqui. Essas coisas são truques da mente para destruir o estado de presença.

Quem está vivendo uma situação e querendo outra, está descentralizado, distraído, inconsciente do presente, daquilo que realmente é... Isso também se chama de estado de não-presença.

Deixe que os pensamentos venham e vão, mas não os siga. Você não tem obrigação de segui-los. Para estar presente, você tem de ficar aqui e nesse agora. Se você seguir um pensamento de cinco minutos, por cinco minutos você não estará aqui/agora. Por cinco minutos você não estará presente mesmo que seu corpo esteja.

Até a próxima aula.

Edson Carmo


segunda-feira, 4 de julho de 2011

TAREFA






Comentem as percepções para além da matéria e o aprendizado na aula de domingo 03/07/2011.

sábado, 25 de junho de 2011

Trabalho para alunos da Escola de Significados II


SER OU NÃO SER, EIS A QUESTÃO...

Essa frase foi citada no ato III, cena 1 da peça A tragédia de Hamlet, príncipe da Dinamarca, de William Shakespeare. Quando lemos o verso citado por Hamlet, observação sua constante batalha interna, suas dúvidas a respeito do SER...

Faça uma pesquisa e leia o verso completo citado por Hamlet, e faça um comentário de no mínimo 15 linhas sobre o SER que Hamlet procurava.


Agradece,

Gleilson Alves
Coordenador da Escola de Significados

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Escola de Significados – Módulo: SER – Aula 01


Significado do dicionário: Ente, existência, vida, realidade.

Conceito: Aquilo que é e não muda.

Introdução: Tudo aquilo que ilude, não pode ser. Portanto, o Ser não pode ser conhecido por algo mutável.

E o que é mutável? Os pensamentos, os sentimentos, a mente, o corpo são multáveis.

Tudo aquilo que não muda; tudo aquilo que é imutável; tudo aquilo que não morre... Isso é o Ser.

Observe esses dois termos gregos:

- Léthe: aquilo que não é verdade (ilusão, devir, passageiro, transitório...)

- Alétheia: verdade (aquilo que é e não deixa de ser, imutável, permanente...)

Se apenas o Ser é verdade, então todo o resto no homem é devir, engano... EGO.

A DESCOBERTA DO SER


A primeira coisa que se deve entender, é que o Ser não pode ser conhecido por meio daquilo que é transitório.

- Tudo que é conhecido através dos sentidos, apenas aparenta ser, porque está no devir constante, numa ilusão constante, numa aparência constante, numa transitoriedade constante...

Os sentidos mudam, e se mudam! Como podem conhecer o Ser? Como podem defini-lo?

Observe:


Se algo que muda constantemente chegar a conhecer o Ser, então esse conhecimento de nada adiantará, porque no momento seguinte, o que muda constantemente, terá mudado.

Entenda:


Somente o imutável pode conhecer o imutável. Somente aquilo que tem a qualidade do eterno pode conhecer o eterno – a eternidade.

Somente um olhar puro, sem imagem; sem emoção; sem imaginação... Somente um olhar puro e consciente pode perceber o Ser. Somente a consciência pode conhecer o Ser.

Se você descobrir, conhecer a verdade, o Ser – esse que não muda; então você terá encontrado a vida eterna, a imortalidade. Esse é o sentido das Palavras do Cristo: “conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”

Libertará de que?
R – da morte e daquilo que causa a morte: o pecado.


Edson Carmo

domingo, 19 de junho de 2011

Trabalho para alunos da Escola de Significados


FAÇA UMA EXPLANAÇÃO ACERCA DO EGO E SUAS CARACTERÍSTICAS. 
MOSTRE UMA FIGURA QUE REPRESENTE-O.

Obs.: Responda nessa postagem na forma de comentário, e caso nao tenha conta no blogger, faça um comentário como anônimo e assine com seu nome. O texto deve ter no mínimo 15 linhas.

Agradece,

Gleilson Alves
Coordenador da Escola de Significados

sábado, 11 de junho de 2011

MÓDULO EGO - AULA 02


Quando nascemos, somos o que somos. Então, quando chega certa idade, queremos interagir com as pessoas. Daí essas pessoas nos dizem individualmente: “se quiser ter a nossa companhia, terá de jogar o nosso jogo”. E para não ficarmos marginalizados, isolados, aceitamos a condição de jogador. O jogo é de nos dividir em vários pedaços, em vários personagens – uma quantidade tão grande capaz de nos faz esquecer quem realmente somos.

Quando nascemos, a Sociedade (o mundo que jaz no maligno) nos fatia em muitas partes. Eis uma lista contendo algumas delas:

01 – Raça – humano;
02 – Gênero – masculino ou feminino;
03 – Cor – branco, negro, ruivo...;
04 – Nome – Francisco, José, Maria...;
05 – Naturalidade – Fortalezense, Paulista, Carioca...;
06 – Nacionalidade – Brasileiro, Americano, Inglês...;
06 – Classe social – Rico, Pobre, Miserável...;
07 – Aparência – Bonito, Feio, Horrível...;

Vamos envelhecendo e o fatiamento continua, não para. Então nos fatiam ainda em:

08 – Formação Escolar – Analfabeto, Graduado, Pós Graduado, Mestre, Doutor...;
09 – Formação Profissional – Engenheiro, Mecânico, Motorista...;
10 – Formação Religiosa – Católico, Protestante, Espírita...;
11 – Estado Civil – Casado, Solteiro, Amancebado...;

E por aí vai...

Qual a necessidade de todas essas divisões? Para que todos esses personagens?

Se a Sociedade – governada pelo príncipe deste século – conseguir desviar nossa atenção daquilo que realmente somos, então “seremos” o que ela quer que a gente seja, e não aquilo que Deus nos fez para ser.

Se já sou, e alguém me diz que tenho que ser! Então essa coisa que vou ser, será tudo, menos o meu ser original!

Lembre-se: O ser humano só aprende aquilo que ele presta atenção. Só aprendemos as coisas nas quais colocamos nossa atenção! Obviamente, se você, se eu, ou se os outros se distraírem de si mesmos, conhecerão todo o resto, menos a si mesmos. É isso que é o EGO: não conhecer a si mesmo. EGO é a entidade que assume o lugar do nosso Ser (criação original de Deus). EGO é na melhor das hipóteses um impostor.

Edson Carmo

sábado, 4 de junho de 2011

MÓDULO EGO - AULA 01



SIGNIFICADO DO DICIONÁRIO:

Ego

1. Núcleo da personalidade do indivíduo.
2. Conceito que o indivíduo tem de si mesmo.
3. Consideração ou apreço exagerado que alguém tem por si mesmo. = EGOTISMO

CONCEITO:

Ego

O “eu” criado pela sociedade.


INTRODUÇÃO:

O processo pelo qual o Ego se forma, chama-se de IDENTIFICAÇÃO.

A palavra IDENTIFICAÇÃO compõe-se dos termos latinos: IDEM, que significa: “igual” ou “o mesmo”, e FACERE, que significa: “fazer”. Assim, IDENTIFICAÇÃO significa: “ser o fazer”.

EGO, é sem dúvida nenhuma, a “IDENTIFICAÇÃO COM A FORMA”, seja ela o corpo, um nome, ou um objeto qualquer. O EGO diz ao falar dos objetos: “eles são mEUs.” E ao falar do corpo e de alguns nomes ele diz: “sou EU.”

VEJA O ESQUEMA:

video

O MUNDO DO ESPIRITO NÃO TEM RELAÇÃO COM O EGO. O EGO É FALSO, O ESPÍRITO É VERDADEIRO. TRATÁ-SE DE DOIS FEMÔMENOS COMPLETEMENTE OPOSTOS.

Edson Carmo

sábado, 28 de maio de 2011

O JOGO, A JOGADA E O JOGADOR

O jogo é fixo. A jogada é móvel. E o jogador é aquele quem escolhe o movimento e seu direcionamento.

O jogo é o corpo. A jogada são os pensamentos e os sentimentos. O jogador é aquele quem escolhe entre eles, qual deles.

(...)

Quem é o jogador? Ah, o jogador pode ser tanto a consciência, quanto o ego.

Quando o jogador é o ego, há apego – e consequentemente sofrimento. Mas quando o jogador é a consciência, então há desapego – e consequentemente contentamento.

Lembre-se: Você não é o jogo. Nem a jogada. Você é o jogador, portanto faça uma boa jogada...

Edson Carmo

sexta-feira, 20 de maio de 2011

VOCÊ É CONSCIÊNCIA!


Imagine a tela de um televisor transmitindo um programa policial. A tela está presenciando a violência, mas ela não é a violência. A tela está presenciando a ação da “justiça”, mas ela não é a ação da “justiça”. A tela está presenciando o choro, o arrependimento..., mas ela não é esses sentimentos.

Perceba! A tela do televisor é fixa, e os acontecimentos são transitórios. Consciência é o fixo onde se manifesta o transitório. Consciência é permanente e o transitório é passageiro.

Todas as coisas transitórias transitam em algum lugar fixo; e o lugar por onde as coisas transitam chama-se: consciência. Consciência é o lugar onde tudo acontece. Na consciência acontece o pensamento, o sentimento, o espaço/tempo e até a tridimensionalidade.

Sem a consciência, as coisas que percebemos, não teriam onde acontecer.

Você é a consciência. Observe! As coisas acontecem dentro do seu corpo e fora do seu corpo. Tudo no mundo está manifestando-se em você. O mundo está dentro de você e não você dentro do mundo. Quantas coisas já passaram? Quantas estão passando? E quantas ainda passarão por você? Quantos acontecimentos! Quantos títulos, posições, funções... já passaram por você? Você é a consciência que assiste tudo isso; é a tela que exibe tudo isso; é o fixo, a consciência perene que observa o transitório, o fenômeno que o vê passar. Todas as coisas passam, mas você permanece. O corpo passa, mas você permanece! Os acontecimentos passam, mas você permanece. Você é consciência.

Edson Carmo

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Retorno das aulas


Caros leitores da escola de significado,

Estamos retornando nossas atividades como escola de ensino aprofundados,
estaremos semanalmente postando novos assuntos sobre o que é abordado nas aulas.

Espero que todo o conteúdo seja de um grande proveito a todos.

Grato,

Coordenação da escola de significados.

quinta-feira, 31 de março de 2011

DOIS TIPOS DE MESTRE



O verdadeiro mestre sabe que as palavras que saem de sua boca são verdadeiras. Ele tem plena confiança no que diz, e por isso, fala com segurança. O discípulo também sabe, porque não encontra meios de refutá-las e destruí-las.

Quando um mestre não tem certeza daquilo que fala, quando ele não sabe se suas palavras são verdadeiras, então ele mantém seus discípulos sob ameaça de punição. E quando um mestre mantém o discípulo ao seu lado pelo medo, isso significa que ele não confia no que diz; ele não sabe o que diz!

Quando o mestre não tem certeza do que diz, quando ele não sabe se o que diz é verdade, então ele fica temeroso, ele sabe que uma vez que o discípulo investigue seu ensinamento, poderá encontrar-se com a mentira. Então ele se protege e diz, "seja um crente, para que investigar? Você não confia em mim?”

O falso mestre é muito ciumento, ele vê na relação do discípulo com ele, a iminência da traição. Isso faz com que ele fique temeroso. Temeroso porque a separação é possível - ele teme isso e quer se proteger de todas as formas para que isso não aconteça. Ele dirá, "seja crente, não busque conhecer a verdade, creia apenas no que digo, não vá a ninguém – acredite somente em mim e esqueça todo o resto”.

Quando o mestre verdadeiro está presente, não importa o que o discípulo faça com suas palavras, não importa para onde o discípulo vá, ele sabe que suas palavras sobreviverão, porque elas são verdadeiras. Então ele confia, dá liberdade, relaxa, e permanece na mais perfeita paz.

Edson Carmo

quarta-feira, 9 de março de 2011

A ALEGRIA E O MOMENTO ALEGRE


Cada pessoa pode alegrar-se por duas vias. Há a alegria, e há o reflexo da alegria. A alegria-reflexo, é aquela que é percebida através de algo que funciona como um espelho. A alegria autentica, é aquela que só pode ser percebida diretamente, ela não é possível por meio de intermediários. Esses são dois níveis diferentes: um é o nível superior, e o outro é o nível inferior.

No nível mais baixo, a alegria é dependente. No nível mais alto, a alegria é independente. No nível mais baixo, o ser goza alegria ao ver seu reflexo no espelho, que nada mais é que seu relacionamento com os outros. No nível mais alto, o ser goza alegria ao estar consigo mesmo. Por esse motivo, no nível inferior a alegria acontece num momento. Mas no nível superior ela é permanente.

Para sentir alegria permanente, temos que encontrar o ser. E como podemos encontrá-lo? Bem, através das outras pessoas, encontramos apenas o seu reflexo. Mas através da auto-inquirição, podemos encontrá-lo e saber como ele é. O ser é pura alegria! Assim, quando a alegria depende dos outros, ela é passageira – porque ninguém pode estar conosco a vida inteira; ninguém fica em frente de um espelho a vida inteira. Quando a alegria é oriunda do encontro direto com o ser, então ela é permanente, porque ele está sempre conosco. Saber disso é apenas uma questão de descoberta, então descubra isso, a alegria será a conseqüência perene.

Edson Carmo

terça-feira, 8 de março de 2011

COMO TOMAR CONSCIÊNCIA DA VISÃO SOBRE AS PESSOAS

Questionador: o que posso fazer para mudar minha visão sobre as pessoas que não suporto?

Edson Carmo: se o jeito, o comportamento, a imagem, a forma, a cor de uma pessoa, são as mesmas características para todos que a vêem, então o que muda na visão de pessoa para pessoa? O que é capaz de mudar a visão que você tem de uma pessoa? Observe comigo e perceba que o que muda a visão sobre uma pessoa é o amor ou a rejeição que se tem por ela.

Se você ama uma pessoa, ela será linda – mesmo não estando dentro do padrão estabelecido pelas convenções da moda. Se você rejeita uma pessoa, então ela será feia para você, mesmo tendo sido eleita miss universo.

Assim, não são os olhos que vêem, mas o amor ou a rejeição que olham através deles. Quem está olhando para essas pessoas que você não suporta? O seu amor ou o seu desprezo?

Questionador: o meu desprezo!

Edson Carmo: Agora você sabe o que fazer?

Questionador: Sim. Eu tenho que amá-las.

Edson Carmo: Exatamente!

Questionador: Mas como amar?

Edson Carmo: Eu vou lhe dizer, escute. Em primeiro lugar, para amar, a mente deve estar ausente, ou se preferir vazia.

Por que as pessoas não conseguem amar?

As pessoas estão impossibilitadas de amar, porque elas estão tentando amar com a mente! Mente é confusão, dilema, memórias, malícias, padrão cultural, medo com base no passado ou no futuro... Como uma pessoa pode amar ocupada com tudo isso?

Em segundo lugar, a Consciência deve estar presente. Consciência é estar inteiramente no presente, onde não há traumas, medos, dúvidas... Essas coisas que impedem o amor.

Questionador: nunca tinham me ensinado assim. Nunca tentei assim.

Edson Carmo: experimente por você mesmo e depois me diga.

terça-feira, 1 de março de 2011

UM MECANISMO DE TRANSFORMAÇÃO

Todos nós, inicialmente, somos matéria prima a ser trabalhada. Porém, a matéria prima não pode evoluir sem os encontros. E existem dois tipos de encontros: o encontro com o artista e, o encontro com o apreciador. O artista é aquele que coloca valor na matéria prima, transformando-a em arte, e, o apreciador, é aquele que reconhece o valor e paga por ela.

Há encontros que são formões necessários para as nossas mudanças; são eles quem determinam as nossas formas; quem causam em nós transformações – esse é o encontro com o artista, com aquele que nos eleva da condição de matéria prima para a condição de obra de arte.

Quem pagaria muito por um tronco de árvore? Quem daria valor a um bloco de rocha?

Uma bela escultura de madeira, antes foi um tronco de árvore. Uma escultura de mármore, antes foi um bloco de rocha. Mas a passagem de um estado para o outro, se deu por meio do atrito, do desbastar, do talhar...

Com esse entendimento, não fuja dos encontros, dos relacionamentos. Uma vida que começa e termina sem transformação, não é vida! Portanto, não deixe que os atritos, os conflitos que surgem nos relacionamentos, sirvam para uma outra coisa que não seja tirar os excessos, as cascas, as arestas... Permita com que eles lhe transforme numa pessoa melhor.

Para surgir uma obra de arte é necessário o encontro e também o atrito – não existe outra forma de surgia a obra de arte e a apreciação.

Edson Carmo

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

COMO ELIMINAR O SOFRIMENTO E EXTERMINAR O SOFREDOR

O sofredor que se alimenta do sofrimento, é uma entidade que habita em quase 100% dos corpos humanos que andam por aí a fora. A coisa se processa assim: geralmente há um sofredor acordado e outro dormindo. Então, o que está acordado, desperta o que está dormindo, provocando-o sofrimento. Qual é a intenção real? A intenção real é a seguinte: ele quer que o sofredor que está dormindo, acorde e o faça sofrer também. Um depende do outro e nenhum pode sobreviver sozinho. Agora, não pense que o que está dormindo, está dormindo porque não queira causar sofrimento para os outros e para si. Não não não!Ele está dormindo por esperar alguém que o faça sofrer e, que aceite o sofrimento – é uma troca de energias negativas. É dessa forma que os sofredores se fortalecem e o sofrimento se renova.

Quando a pessoa toma conhecimento do sofredor – do processo, do círculo vicioso... –, então ele – o sofredor – começa a morrer. E o resultado disso é Gozo, Paz, Alegria...

Edson Carmo

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

ESCOLA DE VERDADE


UMA PALAVRA AOS BUSCADORES


O ensinamento da Escola de Significados é diferente do ensinamento de muitas escolas que se propõem a revelar mistérios. É um ensinamento baseado no todo, e não em uma tradição religiosa. O Aprendizado e o Saber são oriundos do Ser, da Consciência, da Experiência, da Auto-investigação, da Contemplação, da Percepção, da Meditação..., não é um conhecimento emprestado.

Assim, o que retemos na Escola de Significados, é uma benção tanto para os discípulos quanto para o mestre. E não se trata de uma distribuição de informação, e sim de uma formação de mestres. Nas escolas comuns, os alunos vêm e vão, e apenas o professor permanece... Na escola de Significados todos tornam-se mestres. Esse é o diferencial! Nas escolas comuns, o professor serve apenas de escada, e os alunos o vêem apenas como um meio, um degrau para subir no nível do conhecimento. Na Escola de Significados, o mestre não pode ser uma escada, porque ele também está fluindo como o fogo, ele também está subindo! É assim que todos são abençoados pela Sabedoria de Deus.

Na Escola de Significados, há o que fala, e também há o que ouve, mas ambas as ações são a mesma coisa, são iguais. Entenda! Na Escola de Significados o mestre está falando da Consciência que tomou de si, e o discípulo, da mesma forma, está ouvindo e tomando Consciência de si. O mestre está falando sobre a realidade da Vida em si mesmo, e o discípulo também, está ouvindo sobre a realidade da vida em si mesmo. Não existe facilmente ensinamento assim – trata-se de uma raridade!

Costumeiramente, nas escolas, o ensinamento é sempre divorciado do professor e do aluno. O assunto é a experiência dos outros, sempre emprestado de alguém. Mas na Escola de Significados, o mestre é o assunto, o discípulo é o assunto, o Aqui/Agora é o assunto, a Verdade é o assunto, a Vida sem passado e sem futuro é o assunto..., Deus em nós é o assunto.

Edson Carmo

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O CORPO NÃO É APENAS UM MECANISMO BIOLÓGICO

Em primeiro lugar, o corpo não é apenas um mecanismo biológico, ele é algo a mais. O corpo é a expressão do que há no seu lado de dentro. Nesse contexto, podemos dizer que ele é a roupa de quem está lhe vestindo. Se há uma raiva dentro do corpo, então esse corpo irá expressar a raiva. Se há alegria, o corpo se expressará como alegria. Se há amor, então o corpo se expressará como amor. E assim sucessivamente. Corpo é a expressão do que há no interior.

Em segundo lugar, o corpo é inteligência. Ele trabalha: bombeia sangue, respira, urina... mas, tudo isso acontece com inteligência. O corpo responde a manifestações físicas, e também dos pensamentos – ele é inteligente.

Mas para que existe o corpo? Qual a razão da sua existência?

O corpo existe para que eu, você, nós, através dele, atinjamos a Suprema Consciência, a Verdade, a Vida, Deus. Porém essa meta torna-se muito difícil – e por quê?! Porque o corpo, através da sua mente, tornou-se uma espécie de gravador, de depósito de experiências e emoções negativas. O corpo/mente passou a guardar memórias, idéias, pensamentos... Todas as memórias estão armazenadas no corpo/mente, e é isso que o impede de viver a Verdade e a Paz do Aqui e Agora. Sem o corpo/mente, nós não conheceríamos os dilemas, não teríamos passado, nem projetaríamos o futuro. Sem o corpo/mente a Vida seria apenas o que ela é: bela e cheia de Graça.

Olhem para as crianças, elas são basicamente corpos sem mente. Por isso elas são tão vivas, tão alegres... São Divinas, estão conectadas com a Fonte, mas a sociedade, gradativamente irá lhe proporcionar experiências, dar-lhe pensamentos, idéias, conceitos..., formará uma mente – o que será a separação de Deus. Serão colocadas dentro do corpo/mente muitas emoções negativas, entre elas o medo. É desta forma que todos deixam de viver a alegria, a paz e o gozo. Quando a gente olha para dentro de si e não há memórias, não há medo, o que permanece? Somente o gozo, a paz...

Se não ficarmos jogando lixo para dentro do nosso corpo, se não deixarmos que as outras pessoas o façam. Então permanecerá apenas a beatitude, a bem-aventurança, o gozo, a paz, a alegria... Os lixos os quais estou me referindo, são as personalidades, as superficialidades da vida. Abandonar essas coisas, equivale a livrar-se do sofrimento. Não há motivo para preocupações, para buscas..., ninguém pode ser melhor, pior ou igual a ninguém. A única realidade é que somos todos únicos – cada um é o que é.

Edson Carmo

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

O DESPERTAR DEFINITIVO

Dormindo, quando se entra no estado do sonho, tudo parece real. Há estradas, casas, móveis, imóveis... Há as cores, os sabores, os odores... No sonho, lá estão às pessoas: algumas desejadas, e outras rejeitadas... Lá, no estado do sonho, afloram todos os sentimentos, todos os tipos de pensamentos... Muitos acontecimentos se desenrolam lá. E para quem está sonhando, tudo é real, porque quem sonha, nunca sabe que está dormindo. Pensa que está acordado!

No sonho, o sonhador sente dor, sente amor... Lá, ele ganha, ele perde, ele compra, ele vende... No sonho, o sonhador tem fome, tem sede, tem medo... Lá, ele se alegra, e também se entristece...

No sonho, o sonhador quer ficar bonito, lindo, atraente... Então ele precisa da roupa, do perfume, de cuidar do cabelo... Mas para isso ele tem que ganhar dinheiro. Então, no sonho, ele vai trabalhar e lá ele começa ganhar.

Veja, no sonho muitas coisas acontecem. Para o sonhador tudo é real, ele não percebe que o sonho é irreal. Ele acredita nos acontecimentos, nos sentimentos, nos pensamentos, na sua visão, na sua audição... Ninguém pode convencê-lo da grande ilusão.

Mas chega o momento em que o sonhador tem de acordar. É aí então, que ele percebe que estava a sonhar. Agora, ele só precisa acordar do seu estado acordado, porque esse estado também é um sonho, uma ilusão. Entender isso, conseguir isso, é iluminação.

Edson Carmo

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

A FORMAÇÃO DO EGO 2


Existe o ser. Porém esse ser é invisível – é espírito. E para que esse espírito se manifeste no mundo visível, ele se utiliza do corpo físico.

O corpo físico, para viver e se relacionar com o mundo visível, desenvolveu a mente. Essa mente, deveria ser apenas um instrumento, para que esse corpo – manifestação do ser – pudesse viver, conviver e compartilhar no mundo visível.

Porém, com o acumulo das experiências do corpo físico, a mente formata o seu ego – a sua personalidade! O que é essa personalidade? São as crenças que acumulamos desde criança, essa do tipo: “você é mal comportado”, “você é bem comportado”, “você é bonito”, “você é feio”, “você é branco”, “você é negro”, “você é o cara...” É a partir destes ensinamentos que a personalidade é formatada e o corpo físico começa a perder o contato com o ser – porque ele fica dentro de uma fôrma definida, uma prisão, uma separação.

O fim da ligação do corpo físico com o ser é o ego. O começo do apego do corpo físico com a materialidade é o ego.

A separação do corpo com o ser é a origem de todo medo e sofrimento – ego é medo e sofrimento! A separação faz com que o corpo tenha contato apenas com as coisas que ele conhece – o que podemos chamar de passado: “o que eu fiz”, “o que eu não fiz”, “o que me aconteceu”, “o que eu senti”, “o que eu vou fazer?”, “o que eu não vou puder fazer?”, “o que será de mim?”... No momento em que o corpo apega-se ao passado, ele também projeto o futuro. É isso que faz com que ele não vida mais o agora, a vida e se desconecte do espírito, do seu ser.

Assim, tornar-se uma pessoa, uma personalidade, é perder-se do ser, da realidade, da verdade.

Edson Carmo

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

O MECANISMO DO SOFRIMENTO



...

Questionador: Por que há gente contente e gente sofrendo?

Edson Carmo:
Sofrimento é o resultado de desejar ser, aquilo que não se é. É a “dor” do conflito entre o que se gostaria de ser, com aquilo que se é. Há sofrimento quando não se aceita a vida como ela é, e se fixa na idéia de como se gostaria que ela fosse. Há sofrimento também na vontade te ter aquilo que não se tem. Assim, podemos concluir que sofrimento é a idéia de dualidade. NA NÃO-DUALIDADE O SOFRIMENTO NÃO EXISTE.

Questionador:
E como é possível evitar o sofrimento, se a dualidade é uma realidade?

Edson Carmo: Dualidade não é real, ela não existe! Dualidade é uma criação da mente, é uma manifestação da memória! Veja, tudo que está acontecendo, está acontecendo por vez, é um processo continuo. Então, se a noite está aí, não pode ser dia. E se fosse dia, a noite não poderia estar aí! Observe: quando você está saciado, onde está a sede? Aqui está calor, e você está sentindo calor! Onde está o frio? O frescor que você está desejando, nesse momento, ele está apenas na memória – porque um dia você já o sentiu. Mas a memória não é o que está acontecendo como realidade. O que está acontecendo como realidade agora, é o calor. No momento que começar a fazer frio, o calor não estará mais aqui. Você pode perceber? Que não há dualidade no acontecimento?! Quando o frio acontecer aqui, será apenas uma continuação do calor que agora existe, então o calor ficará no passado, e o passado é inexistente.

Questionador: muito obrigado, acho que agora entendi. Sinto que alguma coisa já começou a mudar... hahahahahahahahahahaha

Edson Carmo: A Verdade sempre Liberta, fica na Paz!

...

Edson Carmo

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O MECANISMO DO FORTALECIMENTO

Ninguém gosta de se sentir para baixo. Mas estar para baixo, de vez enquanto é bom!

Vou explicar essa minha afirmação! Quando a gente está para cima, então a gente está dando, certo?! É, a gente está dando: sorrisos, palavras, ajudas... Quando a gente está para cima, então a gente está apenas gastando energia.

Mas quando gastamos, precisamos repor, certo?! Então, é aí que nos sentimos para baixo. Figuradamente, o que estou dizendo é que quando estamos sem sono estamos cheios de energia - então a gastamos. Mas quando as energias estão se esvaindo, vem o sono, que é uma providencia de Deus, pois é o sono, o dormir que nos repõe as energias! A mesma coisa acontece quando estamos com fome, sede...

Assim, ficar para baixo equivale a fome, a sede, o sono... da alma. Não é ruim, é um momento para nos sentirmos fracos e buscar a reposição das forças espirituais em Deus.

Lembre-se: o Apóstolo São Paulo disse que é na fraqueza que se aperfeiçoa o poder de Deus.

Edson Carmo

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

A INEFICIÊNCIA DA RELIGIÃO NA TRANSFORMAÇÃO DO HOMEM

A verdadeira religião não é aquela que cobra comportamento, e sim aquela que traz esclarecimento. Olhe como as coisas se processam dentro da falsa religião! Ela diz: “não faça isso, não faça aquilo; essas coisas são pecados” – é o velho não proves, não toques, não manuseies que o Apostolo São Paulo se referiu em sua carta aos Colossensses.

Vamos analisar mais profundamente isso! Uma pessoa está em densa escuridão, ela está tropeçando em pedras que estão espalhadas por todo o seu caminho; ela está caindo em buracos que estão postos pelo chão; ela está batendo com a cabeça em obstáculos que estão em todos os cantos e recantos... Isso é tudo que essa pessoa sabe fazer: tropeçar! É a sua condição, ela não pode ver, está em trevas!

Tudo isso tem trazido sofrimentos, dor, medo a essa pessoa. Então, por causa disso, ela vai em busca de uma religião, e quando a acha, a religião lhe diz: “você está errada, você não pode tropeçar, isso não pode acontecer, você não pode cometer tais pecados. Você só terá paz quando for santa, quando pára com essas coisas.” Ora! Como essa pessoa vai parar de tropeçar, de cair... se a luz não for acesa em sua vida? E se a vida dela ficar banhada de luz, como deixará de enxergar os obstáculos? Ora, uma vez que ela veja as pedras, naturalmente deixará de tropeçar nelas. Uma vez que ela ver os obstáculos, desviar-se-á de cada um deles...

Assim, a libertação, não está na informação do que não deve ser feito, mas na experiência de enxergar o que deve ser feito, como tem de ser feito e, porque tem de ser feito.

Edson Carmo

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

O OBJETO, O SIGNO E O INTERPRETANTE

Existe o significante, o significado e aquele que dá o significado. O significante é o “objeto” – o “objeto” pode ser uma escritura, um som, uma música, uma forma, uma cor... Já o significado é o signo; é a interpretação que foi gerada a partir do encontro do “objeto” com o observador. Significado é a sua interpretação e não o “objeto” em si – o “objeto” não tem nenhum significado intrínseco. E quem dá o significado? Você – você é o interprete, o interpretante! Veja, as coisas são apenas coisas, se elas tem algum significado, algum valor, esse valor não está nelas mesmas, mas em você que as quer valorizar ou não. A interpretação vem da sua cultura, da sua experiência, da sua forma de ver, de pensar... Assim, nada do que você vê é o significado, e sim o significante. Lembre-se: uma palavra só pode fazer mal a uma pessoa, dependendo da interpretação que essa pessoa faz a respeito dela. A mesma coisa se aplica ao som, as imagens, as cores...

Edson Carmo

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

O MECANISMO DA INFELICIDADE


Quem tem sono, é você ou o seu corpo? Quem cansa, é você ou o seu corpo? Que se machuca, é você ou o seu corpo? Quando o corpo está adormecido e você está inconsciente, quem respira, quem bombeia sangue para todos os órgãos? É você ou o seu corpo? Para todas essas perguntas a resposta só pode ser uma: O corpo! Mas as pessoas de modo geral estão dizendo: “eu estou com sono, cansado, machucado...” Esse ‘eu estou’ é a maior de todas as identificações do ser com o corpo.” Quase todo mundo neste planeta pensa ser o corpo.”

Mas você não é o corpo, e sim a testemunha do que acontece ao corpo?  Você não é o objeto da observação, e sim o observador!

Observe, muitas pessoas ao apenas assistir um filme, uma peça dramática, começam a chorar. O que aconteceu a elas? Será que aconteceu alguma coisa a essas pessoas? É certo que não! Mas você pode perguntar: “Então, por que elas estão chorando?” Eu respondo! Eles estão chorando, porque se identificaram com aquele acontecimento, com o personagem, com o acidente que aconteceu a ele... Tais pessoas se identificaram com a dor do personagem e começaram a chorar!

Quando a mente faz uma pessoa pensar que tudo que está acontece ao corpo, está acontecendo a ela, então essa pessoa automaticamente entra em estado de sofrimento e agonia. Lembre-se: existe uma causa básica para o sofrimento humano, e ela é a sua identificação com o corpo. Do outro lado, existe uma causa básica para ser feliz, e ela é a sua desidentificação com o corpo.

Quando seu corpo está em sono profundo, você fica inconsciente dele. Mas quando o corpo começa a despertar, então a consciência começa a retornar; é aí que a sua identificação com o corpo gradualmente retorna. No sono profundo, na desidentificação com o corpo, existem os problemas, a condição social indesejável, contas a pagar..., mas não existe sofrimento, nem tristeza, nem angustia... Mas quando a sua identificação com o corpo está desperta, acordando, então aí manifesta-se todo o tipo de miséria.

Se você conseguir desidentificar-se com o corpo, muitas coisas maravilhosas acontecerão, e a principal delas é o encontro intimo com Deus.

Edson Carmo